professora Gisele Leite
Diálogos jurídicos & poéticos
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário Textos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).


Perdão

O exercício do perdão é difícil. Pois, primeiramente temos que nos perdoar, por erros, equívocos e, até mesmo, um certo romantismo dotado de uma super esperança de que tudo vai acabar bem. Mas, os fatos e a humanidade dificultam ainda mais o perdoar. Perdoar não é esquecer e nem exigir um ressarcimento.

A verdadeira importância do perdão reside no fato de ser libertador, você libera o ofensor do seu ressentimento ou ódio. E dilui a amargura que pode minar a vida e a relação com os outros. Perdoar significa abdicar da vingança e entender por meio da empatia o porquê o outro pecou, errou e até foi cruel com você.

Ser capaz de perdoar significa assumir o crescimento e a maturidade para superar os obstáculos, as ofensas e, principalmente, vencer o ciclo sangrento das animosidades.

Para os gregos, o perdão é ação humana capaz de se livrar de uma culpa, uma ofensa ou dívida. Etimologicamente advém do latim perdonare que significa a ação de perdoar, aceitar ou pedir desculpas e, se redimir em relação de algo errado.

O perdão é diferente de tolerar, de desculpar, esquecer ou mesmo do indulto que é concedido por um representante reconhecido da sociedade, como um juiz, e traz a reconciliação.

Dentro do conceito psicológico do perdão é visto como virtude com predicados angariados do pensamento religioso que tanto impregnou as ciências sociais e até na medicina. Perdoar inclui o ato de perdoar-se, e é concedido sem a expectativa de construir uma justiça restaurativa e, sem qualquer resposta da parte do agressor.

A noção de perdão é incomum no campo político. Mas, Hannah Arendt considerou que a faculdade do perdão tem sua vez e lugar nos assuntos públicos. E, acreditava que pode liberar recursos tanto individual quanto coletivamente em face do irreparável.

Há quatro figuras principais do perdão para melhor compreensão, por um lado,  sempre dotado de usos ambíguos, e, por outro lado, as condições sob as quais o perdão pode mediar a real retomada do vínculo social.

Em verdade, o termo perdão pode ser usado de forma plural e cambiável sendo interpretado de muitas formas pelas diferentes pessoas e cuturas. Ao aprender a perdoar, nos tornamos mais tolerantes e, assim, somos capazes de amar e se relacionar de forma madura e saudável.
GiseleLeite
Enviado por GiseleLeite em 09/10/2019
Alterado em 09/10/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários