"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


O níquel de seu amor
Era suficiente
para minha pobreza extrema.
Um simples olhar seu, imantava-me.
Como se fosse o raio do sol.
Ou a lua com todas as estrelas.

E, ao ouvir seus passos e
perceber sua presença
o horizonte se abria como
o mar vermelho para Moisés

Em seus braços
todos os medos desapareciam,
todos as tristezas desintegravam

E, dançávamos no salão
a rodopiar impunemente
sem perceber que o tempo
e, a plateia nos notava.

E, nem sei, se nos censurava.
Todos eram cenário.
E, nós os protagonistas.

Um níquel de seu amor
Era todo meu tesouro
Fechado por uma cumplicidade
homicida.

Matávamos nossas carências.
Matávamos nossa solidão.

Um níquel de seu amor
tilintava no blues
que ouvia...
a voz rouca,
os fonemas sedutores
e, os corpos
em incêndio recíproco
e consensual.

Depois, o níquel enferrujou.
Azinhavre.
O horizonte se estreitou
e, deitou-se esprimido
da janela do tempo.
Envelheceu sem sabedoria.

Não havia sussurros.
Só gritos e agonia.
Seu ciúme enlouquecido
A gritar por insanidade.

E a premente necessidade
de possuir bem maior
do que simplesmente amar.

Fui até a fonte.
Realizei em segredo um pedido.
Diante da água de minhas lágrimas
e das águas que escorria da montanha.
Prometi não sofrer mais.

Abandonei aquele amor.
Enterrei meu tesouro
no mais profundo silêncio
Em terras profanas.

Sinto saudade 
daquele níquel.
E, do blues a gemer
dores de pertencimento
e despertencimento.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 04/10/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr