"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


Um olhar indiferente a percorrer
silenciosamente o corpo
E as manchas de sangue
A imaginação transmutava o significado
das manchas.
Tal como faz com as nuvens

Então víamos o que
queriamos.

O carneiro, a borboleta
Ou a flor, ou pégasus

Nessa viagem de indiferença
e dor.
Nada importava.
Nem a situação.
Nem o atlas.
Nem a topografia.

E nem se existia oxigênio.
As vezes a falta de afeto
era isso asfixia
Lenta, gradual e cruel.

A nos mitigar as forças
A nos reduzir ao animal
que somos,
e do qual padecemos

Frutificado intensamente
Em outonos de perversidade.
A diversidade que nos atravessa
Os paradoxos indigestos
A queimar nosso estômago.

A palavra má grudada
em nossa boca.
O sentimento rancoroso
a escorrer pela garganta.
O ódio profundo
e a vontade homicida.


A morte do outro é um milagre.
Um lenitivo para a tragédia cotidiana.
Que por um dia, apenas um dia,
parou de sangrar.

Estancou-se, sem cicatrizar
Sem questionar o embrião.
Sem questionar o motivo.

E, o tambor da arma a girar
A fazer da morte incerta em imediata.
A fazer do giro mágico.
O eixo fatal.

O pequeno cano.
A pequena munição.
Tudo milimetricamente
perigoso.
Potencialmente prejudicial


Quero sentir essa
raiva.
A vontade de gritar sozinha
em meio ao deserto

E verter lágrimas secas e
exauridas 
cansadas de tanto sofrer ou
imaginar
como poderia ser diferente.

Se o caminho fosse outro
Se a escolha fosse outra

Ou simplesmente a perversidade
fosse apenas diversa
e confessa de tanto
vínculo partido.
Depois, bem depois
que libertaram os escravos.

Depois, bem depois
que esqueceram os vassalos.

Depois, bem depois
que nos esqueceram no 
baú de ossos quebrados.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 31/03/2018

Música: Nun komm, der Heiden Heiland, - Bach

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr