"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


A alma rasteja corpo a dentro.
Sentimentos batem na parede
como se fossem uma cama elástica.
Dobram-se, projetam-se,
tigem e maculam...

Há respingos sentimentais
no mundo afora

A alma rasteja nos pingos
da chuva
que pregam na janela
prismas luminosos.
Milhões de pontos de vista.
Milhões de opiniões.

Sentidos, paradoxos.
Filosofias, crenças e dogmas.
Precisamos acreditar
Desesperadamente.
Como uma tábua de salvação.
Como um reduto protetor
de todo o destino.

Entramos em abismos
Saímos.
Nos deparamos com horizontes
Desconhecidos.
Conhecidos e requentados.

Decorados pela retina e
esquecidos pela alma.
Pessoas normais.

Existe a luz nas trevas.
E as trevas dentro da luz.

Mas, o que diabos, é normalidade?
É normal se sentir culpada?
Sentir-se outsider?
 
Quantas vezes procuramos
o ninho...
o colo da mãe.
a palavra confortante.
O afeto faltante...

Tudo isso é poesia.
Tudo isso é lirismo e espectro
do humano,
profundamente humano.

E queremos a perfeição da máquina.
Do ciborgue.
Queremos ser infalíveis.
Indefectíveis.

A prova de margens de erro.
De estatísticas.
O dedo no gatilho.

E a bala sai rebolando do revólver.
Pode atingir o culpado.
Pode atingir o inocente.
Pode matar o cão.
Mutilar a criança.
Trazer expectativa
Expiação.

Transformar a vida em inferno
E, o inferno em rotida
urbana de esquinas e
desencontros.
No traçado da bala.
Uma história.

A alma se arrastando no corpo.
Então ela salta
para o infinito.
Para a eternidade de razões
e desrazões.
 
 
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 08/02/2018

Música: Berceuse in D-Flat, Op. 57 - Daniel Barenboim

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr