"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


Eis que nos deixam existir
A respiração lenta e profunda
O calafrio a percorrer a espinha
Suores nas mãos
O frêmito no corpo inteiro
Febre, tosse e espirros.
Uma espécie de alergia

Secreções espúrias
Banhos prolongados
Regados a água e terapia.


Eis que nos deixam existir.
Nossos medos.
Nosso inconsciente.
Nosso sofrimento.
Nossas limitações.

O sapato apertado.
A roupa espartilho.
O cabelo assanhado
A pele ruborizada pelo sol.

Eis que nos deixam existir.
Somos animais frágeis.
Infância longa.
Maturidade improvável.
Leis de sobrevivência injustas.

Destinos genéticos complexos.
Doenças comunis.
Doenças raras.
Doenças incuráveis.

Então, enfim, a morte se avizinha.
O texto da lápide.
Já escolhi o meu:
"O afeto é analgésico da dor de existir".

Talvez toda a trajetória
tenha valido a pena.
Talvez tropeçar tenha sido útil.
Aprender.
Errar.
Apagar.
Esquecer.

Desmaiar de sono e cansanço.
Desconectar-se
Roupas.
Vaidades.
Títulos.

Eis que nos deixam existir.
Somos pó.
Apenas pó.
Voltaremos ao pó.
Cadeias de carbonos perecíveis.

A magia invisível.
O encanto palpável.
De fabricar afetos.
Vínculos.
Sentidos e sentimentos

Num crochet complicado
feito por muitas mãos.
 
Mãos que ajudaram.
Mãos que taparam a boca.
Mãos que recolheram.
Mãos que abraçaram.

Eis que nos deixam
simplesmente viver.
Existir foi apenas uma etapa.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 08/02/2018
Alterado em 12/03/2018

Música: Meditation - Antonio Carlos Jobim

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr