"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


 
 
Meu corpo parado.
Ainda respira.
A consciência se esvai em poros.
 
Suores.
Calafrios.
Tremores
Febre.
Sintomas.
 
Minha alma parada.
Flanando
Percorrendo as cores.
Caminhando no ritmo dos sons.
Visitando flores,
memórias e saudades.

Parado está o sol
a queimar silenciosamente.
A melanina, a retina
e a existência.
 
Mas tudo está parado;
Constante.
Em silêncio
É um monastério
todo esse universo.
Silente.
Latente
Incandescente.
 
A vibrar por minúsculas vidas.
Por trepidar por entre moléculas.
Por oscilar entre altos e baixos.
Entre sons sussurrantes
E gritos lascinantes.

A palavra.
A rima
e a poesia.
 
Parada nos dedos.
Congestionada no oxigênio.
Hemoptise de lirismo.

Câncer romântico
a carcomer o coração
por emoções abortadas
no nascedouro dos afetos.

Tocar essa inércia
é descobrir a poesia.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 03/01/2018

Música: Berceuse in D-Flat, Op. 57 - Daniel Barenboim

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr