"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


Tenho pressa.
Não tenho tempo.
O relógio vive a roubar vidas.
Instantes.
Momentos.
Flashes
que se arquivam
na memória,
na retina
e nos ossos.

Tenho pressa.
Tenho urgência.
Não tenho todas as dimensões.
Só vejo uma parte ínfima da realidade.

A miopia é a tônica.
A diversidade é a constância.
E, a complexidade existe moribunda em tudo.
Infindável.
Indecifrável...


Quando penso que finalmente 
captei aquela onda,
Aquele entendimento.
Aquele momento.
Ele se esvai.
A onda morre na areia sussurante.
O entendimento se apaga
num susto...

E, tudo parece tão remoto.
Parece irreal.
Imaterial.
Intocável.

Etéreo.
As nuvens tocam o horizonte.
Batizam o mar de esperança.
As ondas em sua bruma
são um poudo das nuvens.

E, o cochico que faz a areia.
É para revelar a senha.
Revelar como abrir almas.
Abrir os olhos
E enxergar profundamente.

Tenho pressa.
Minhas pernas correm.
Meus passos dormem no ritmo
atritoso entre os ossos e 
a ansiedade.

Não sei esperar.
Espero apenas aquilo que
não percebo.


Não entender você.
Não ter você por perto.
É um preço.
Não saber perdoar, 
é outro preço.

Tenho pressa.
As angustias passam.
A sobrevivência um dia acaba.
A essências dos olhos que choram.
Da mão pedinte.
E clamam... por maior rapidez.

Tudo é um átimo.
Um átomo.
Um fóton.
Dentro da poesia quântica,
onde os neutrinos dançam
a valsa vienense.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 31/07/2017
Alterado em 31/07/2017

Música: Playa Del Carmen - Armik

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr