"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


Quadro em branco.
Há palavras dormentes.
Há nuvens isentas de chuvas.
Há cegueira implícita.

Fingimos enxergar.
Fingimos entender.
Fingimos aceitar.
Fingimos imensamente
e, tanto
que não passamos de canastrões
Não decoramos os scripts
que nos deram

Os fonemas soltos sem semântica
A semântica solta sem literatura
A literatura perdida por ideologias.

Quadro em branco
Há no limiar do sussurro,
a morte do segredo,
a morte da lealdade.

Há uma faca encravada
nas costas.
Há uma palavra travada
na garganta.
Há um sentimento acimentado
no afeto.

Quadro em branco.
Fomos criados para ser e existir.
Fomos educados para crescer e enganar.
E talvez resistir.
Fomos domesticados
Pois as verdades foram todas
 copiosamente escritas em 
quadro em branco.

Quem saberá lê-lo?
Quem saberá interpretá-lo?

Só os deuses,
as deusas e a poesia cega
que sangra publicamente
ao entardecer.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 02/06/2017
Alterado em 03/06/2017

Música: Mon Dieu - Edith Piaf

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr