"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


Tudo que tenho é a palavra.
É a pena.
É a pluma e o chumbo da semântica.
Dos símbolos em dialética contemporânea.
Bipolar.
Instável.
Descartável.
Mutante.

Tudo que tenho é a palavra.
Sentida.
Recitada.
Cantada.
Medida.
Ecoando pelas paredes da consciência.

Tudo que tenho é a palavra.
A fonética.
A grafia.
O desenho simbólico.
A redação sub-reptícia.
O texto, contexto e subtexto.
Notas de rodapé
Explicam o inexplicável.
Trazem detalhes úteis
para fugir da teia do tema.


Tudo que tenho 
Que me pertence.
Que me possui.
Numa interação simbiótica.
A palavra transita em mim.
Em gestos,
em roupas,
em sede e fome.
Mas, principalmente, na sobrevivência.

O passado é registro.
O presente é assistido.
E, o futuro é uma síntese misteriosa
de tudo que se registrou e assistiu.
Marcado por livros, pessoas e acidentes.

Tudo que tenho é o encontro.
O encontro com a poesia
Que me dá leveza
e alforria.

Tudo que tenho é o monstro domado.
Diante da dialética,
da retórica,
da química semântica e empírica.
da física quântica.
A negar a ação e reação.

Somos reagentes.
Somos agentes.
Somo indigentes.
Abandonados a sorte
de ser, ter e, finalmente,
morrer.

Agora, é a palavra que me tem.
Possuindo-me dominante.
Silenciosa.
Pausada e ardilosa.

Na interpretação que há dentro de olhos,
de gestos, de corpos,
de roupas e, principalmente,
do lirismo exagerado dos batons.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 24/05/2017

Música: Carmen, Opera-Comique In 4 Acts (Act 3 \'Je Dis Que Rien Ne M\'epouvante\' [Micaela]) - Angela Gheorghiu - Bizet

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr