"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).

professora Gisele Leite

Diálogos jurídicos & poéticos

Textos


Soaram doze badaladas. Os tempos mudam contextos, circunstâncias e festejos, porém, a tradição arraigada aos ritos segue o rigor inexorável. Seja por superstição ou não, muitos não gostam das doze badaladas a informar sobre a meia-noite. Abriam-se portas e janelas pouco antes da meia-noite para extravasar o que há de velho e, permitir que o novo entre. A mais popular das tradições em Portugal é ingerir doze passas e tem origem na Espanha. Era uma época em que não se festejava a chegada do ano novo, mas sim, a dos Rei Magos em 6 de janeiro. Todavia, como forma de protesto, o povo comia as passas, ao invés de uvas, conforme a tradição em França e Alemanha. Após, a doze badaladas, veio a hora de brindar, em geral, o champanhe é a escolha e, alguns dizem até que brindar com água, dá pouca sorte. Outra tradição é guardar dinheiro no sapato, pois representa riqueza o ano inteiro e, para ter bolsos cheios. Há outras tradições como aquelas do domingo de ramos em Portugal quando se comemora-se a entrada de Jesus Cristo em Jerusalém, onde fora aclamado como o Filho de Deus por multidões que estavam abanando ramos de oliveira e de palmeira.  Igualmente, é tradição que os afilhados ofereçam flores ou ramos aos seus respectivos padrinhos e madrinhas. DTristão ouvia a narrativa atento. Isolda, a professora, ainda esclarecia: O domingo é derivado do latim dies Dominica, ou seja, o dia do Senhor, considerado o último dia da semana para os cristãos. O sétimo dia, quando Deus descansou da criação do mundo. Já o sábado, sua origem vem do hebraico, shabatt, considerado o último dia da semana para os judeus. Em outros idiomas ocidentais, o nome dos dias segue padrão diverso, como o nome dos planetas. Os primeiros a serem descobertos foram: Saturno, Júpiter, Marte, Vênus e Mercúrio. Colocando a Lua por derradeiro e, o Sol no centro do sistema. Aliás, o número quatro é considerado cabalístico pois representam os elementos da natureza, das estações do ano e tantas outras coisas que são organizadas dessa forma. 

GiseleLeite
Enviado por GiseleLeite em 01/11/2022
Alterado em 02/11/2022
Copyright © 2022. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
iDcionário Aulete