"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).

professora Gisele Leite

Diálogos jurídicos & poéticos

Textos


Não conheço o outro.
Não vejo o outro.

 

Suas pupilas fogem de mim.
O candelabro equilibra as velas
com seus pavios balouçantes.
E num piscar, o brilho de seu olhar.

 

Sua voz contralto.
Meio grave. Meio aguda.
Amadurece o fonema dito.

 

Minha solidão perece perante sua presença.
Há incêndios fabulosos a queimar a phênix
Há silêncios tortuosos a embalar a avença.

 

Retorno ao confronto.
Ao inimigo diáfano
Minha esquálida figura
reverbera os ventos recebidos.
Que passam por mim, como eu não existisse.

 

A contundência da existência é um átomo.
A aspereza do sentido.
As metáforas esquizofrênicas
suicidando-se diante do entardecer.

 

Vem a noite.
E, continuo a não conhecer o outro.
O outro é enigma.
O outro é mistério
Vive-se o estigma do adultério...
A traição pontual ou potencial


O elastério das relações humanas.
Dos valores humanos.
Da mercadoria humana
exposta nas prateleiras empobrecidas
da vaidade sem virtude.

 

Não conheço o outro.
Não consigo ver ou discernir
Tudo é difuso.
Líquido e confuso.
Mutável e mutante

 

A bailar entre o ser e o estar.
Entre crer ou tocar.
Entre aqui e amanhã.

Na barganha diária.
Ficamos com trocados.
Reles moedas metálicas
a tilintar minha carência

 

Talvez amanhã
Minha estranheza passe.
Talvez amanhã
Habitue-me com as dúvidas
com as dívidas
com a irremediável culpa


Mea culpa
Mea maxima culpa.

Fadada pela genética.
Gerida pela história
E, despachada pelo tempo.

Existirão novos outros desconhecidos.

Eis o desalento.

GiseleLeite
Enviado por GiseleLeite em 01/10/2022
Copyright © 2022. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
iDcionário Aulete