"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).

professora Gisele Leite

Diálogos jurídicos & poéticos

Textos


 

Primeiramente, desejo agradecer-lhe pela genética. Afinal, apesar de nossa parca convivência, todos são unânimes em dizer que sou a filha mais parecida com o senhor, em temperamento e inteligência. Não sei, exatamente, se tal discurso seria elogioso. Porém, de certa forma, não é de todo ruim. Além disso, sempre admirei a sua escrita. Que mencionavam como afiada e certeira...

Boa de mira e ruim de briga... Afinal, era esguio, alto e macérrimo. Viveu boa parte da existência pesando no máximo cinquenta quilogramas apesar de ter quase 1,80m de altura... Atualmente, eu peso setenta quilogramas, me sinto uma baleia jubarte.

Nas ventanias contemporâneas correria sério risco de ser levada como se fosse uma pena. A falta de delicadeza para certos assuntos rendeu boas estórias, e algumas risadas. Pois, apesar de inteligente era francamente antissocial. Gostava de beber seu vinho de forma solitária e contemplativa... Conversava, mas seus silêncios falavam mais alto que sua fala. O seu discurso de pausas fazia as moscas refletirem sobre a própria essência de ser um inseto.
Quando estavas às vascas da agonia, apresentando convulsões terríveis que antecederam à sua morte, procurou lembrar dos versos de Camões: "A morte, que da vida o nó desata, os nós, que dá o amor, cortar quisera. Na ausência, que é contra ele espada fera e com o tempo, que tudo desbarata." Apesar de ser muito poético, custo acreditar que teve convulsões poéticas íntegras. Por fim, preciso perdoá-lo, com força de meu inconsciente, pois não vesti seus sapatos, nem andei por seus caminhos, para julgá-lo. E, o perdão não é porque você foi meu pai, mas sim, mais um humano num planeta errante que tropeça, erra e, também acerta.

E, se, afinal de contas, aqui estou, vivendo, respirando e colhendo os frutos da maturidade é porque você existiu...Nem sempre somos capazes de perdoar aquilo que não entendemos, porém, é preciso ter afeto capaz de superar a razão e, transformar o pavimento do vínculo em acesso à misericórdia. Através da compaixão podemos entender que os pais não são heróis, nem possuem superpoderes.

São humanos, demasiadamente humanos. Tomara que eu não venha incidir nos mesmos equívocos que o senhor cometeu. Adeus, desejo-lhe paz e muita evolução espiritual. Sempre coloco seu nome para irradiação no Ramatis.
 

GiseleLeite
Enviado por GiseleLeite em 30/08/2022
Alterado em 30/08/2022
Copyright © 2022. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
iDcionário Aulete