× Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
professora Gisele Leite
Diálogos jurídicos & poéticos
Textos
Existem questões reflexivas sobre o tempo. E, foi tema recorrente no pensamento de muitos filósofos. Onde quer que vivamos no planeta, de alguma forma, vive-se em função do tempo. As pessoas costumam se guiar pelos ponteiros do relógio. Mas, afinal o que é o tempo? Uma roda? Uma ilusão? Uma criação de Deus? O tempo é uma grandeza física que enumera frações,fragmentos de horas, minutos e segundos. A duração do dia em vinte e quatro horas e a hora é de sessenta minutos, foi um legado deixado pelos babilônios.  “Esta divisão tendo o 12 como base teve sua origem na Babilônia (os babilônicos discutiam o ano em 360 dias  e o ano em 12 meses de 30 dias; a cada seis anos eles acrescentavam um mês para retomar o percurso do sol”. Em 1955, Einstein declarou:“A distinção entre passado, presente e futuro é uma ilusão”. Toda a natureza pode ser modificada  pela passagem do tempo, mas, um pássaro, uma flor ou um cão, não sabem distinguir ou situar passado, presente e futuro.  Por conseguinte, estas três etapas são projeções mentais que parecem existir somente na consciência humana, pois: “o passado e o futuro,  rigorosamente falando, não são; um não é mais,  e o outro não é ainda, e o instante presente já não é mais, todos existem somente para a consciência, que se lembra, antecipa e faz durar o presente”. Na roda do tempo, não existe acaso e seu limite é  marcado pela necessidade de haver mudança. Por isso, praticar o desapego é fundamental. Somos menores que um fóton, nossa voz tem poucos hertzs e no universo somos uma partícula que ainda luta por sobreviver.
GiseleLeite
Enviado por GiseleLeite em 15/01/2020
Alterado em 15/01/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários