"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
professora Gisele Leite
Diálogos jurídicos & poéticos
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


O Natal é saudado pelos sinos das igrejas e capelas que anunciam o nascimento de Jesus e deveria significa paz e amor para toda humanidade. De repente, essa mesma época nos remete a uma série de recordações e de flashes que ficaram arquivados em nossos corações e, formam um rol de sentimentos únicos e raros.

A Ciência em suas inúmeras tentativas de explicar a sobrenaturalidade das narrativas bíblicas e justificar a fé presente em quase todos seres humanos.
Até os mais incrédulos, sensibilizam-se durante a época do Natal, pois há uma aura benéfica que nos envolve, pensamos em perdão, solidariedade, harmonia e, principalmente, em doação...

Quando criança tinha pavor de Papai Noel... achava a figura esquisita, vestida toda de veludo e botas pretas, num clima quente, de quase quarenta graus... ademais, o "OH OH OH" era medonho e soava falso... Isso sem contar que era obeso e idoso, fenômenos pouco conhecidos da maioria das crianças...

Mesmo assim, achava bonito o presépio, a figura dos três reis magos, que não eram reis propriamente e, sim, sacerdotes da religião zoroástrica da Pérsia, equivaliam aos conselheiros. Melquior ou Belquior, Baltazar e Gaspar que traziam três presentes: o ouro, incenso e mirra que foram representam o reconhecimento de que Jesus, mesmo em sua infância, pequeno e frágil, é o verdadeiro Rei. Já o incenso, mostra o reconhecimento da huamnidade daquela criança que ao mesmo tempo detinha o mistério divino do amor.

E, a mirra simboliza que Jesus menino também é verdadeiramente humano e, por isso, é capaz de sentir nossa dor, e até passar pela experiência da morte.

Os nomes dos sacerdotes também são eivados de semântica. Pois Melquior significa "meu Rei é luz", veio de Ur, na Caldeia e, foi quem ofereceu o ouro.
Gaspar cujo nome quer dizer "aquele que vai confirmar", veio do Mar Cáspio, sendo ele que ofereceu o incenso.

E, Baltazar, que significa "Deus manifesta o Rei", que veio do Golfo Pérsico, sendo quem ofereceu a mirra.
 
Em verdade, a Bíblia não menciona exatamente quantos magos procuraram por Jesus, e nem apontou-lhes como reis. O Evangelho de Mateus informa que vieram do Oriente a Jersualém e perguntaam : Onde está aquele que é nascido rei dos judeus?
 
Eram chamados de magos porque se dedicavam à astrologia e ao conhecimento espiritual em geral. Os presentes oferecidos tais como ouro,
incenso e a resina da árvore de mirra, que era usada em embalsamentos. 

Em muitos países como Espanha, México e Uruguai existe a tradição de se presentear as crianças exatamente no dia seis de janeiro que é dedicado aos Reis Magos e, não propriamente no Natal.

Aliás, a referida data não representa o dia em que os magos chegaram a Belém para conhecer o filho de Maria e José, e sim, a própria data de nascimento de Jesus.

E, tal data foi respeitada até o século quinto, quando a igreja dominou o Império Romano e passou a utilizar o dia 25 de dezembro antes dedicado a uma festa pagã para o Sol, para simbolizar o nascimento de Cristo.

Outra tradição pagã aproveitada pela Igreja Católica foi o bolo-rei nas comemorações dos Reis Magos. Pois os romanos tinham o costume de escolher um rei das festas pelo sorteio de uma fava... E, a Igreja veio enviar a fava num bolo, espalhando a lenda de que os três reis magos usaram tal método para sortear qual deles seria o primeiro a entregar seu presente a Jesus.

A receita veio evoluindo e se transformou tanto que hoje tem ingredientes que simbolizam o ouro, o incenso e a mirra e, a fava fora substituída por um brinde, tal como uma moeda, ou uma bijuteria perdida no meio da massa, cabendo a sorte de quem a encontrar...

Tal tradição se mantém íntegra, particularmente, em Portugal e na Espanha.
Os nomes dos reis magos apareceram num evangelho apócrifo do século sexto, sendo três irmãos: Melquior que vinha dos persianos; Baltazar ou Baltasar que era rei dos indianos; e Gaspar que reinava nos países árabes.

A festa dos Reis Magos ou Dia dos Santos Reis é também conhecida como epifania que em grego significa a manifestação de Deus. É uma das mais antigas festas dos cristãos. Teve início no Oriente e logo passou a ser comemorada no Ocidente, por volta do século IV.

Melchior é caracterizado geralmente como um idoso branco com barba em representação da região europeia e oferece ao Menino o ouro pela realeza de Cristo.

Gaspar representa a área asiática e leva o incenso pela divindade de Jesus. Enquanto Baltazar é negro pelos provenientes da África e presenteia o Salvador com mirra, substância que se utilizava para embalsamar cadáveres e simboliza a humanidade do Senhor.

Além disso, os três fazem referência às idades do ser humano: juventude (Gaspar), maturidade (Baltazar) e velhice (Melchior). O primeiro registro histórico que mencionou o nome dos três magos remonta ao ano 500, portanto, no final do século V.

Trata-se de um manuscrito conhecido como “Excerpta Latina Barbari”, o qual recebeu esse nome porque seu autor possuía um conhecimento básico de grego e latim, o que fez com que o documento tivesse alguns erros que comprometeram o entendimento de algumas informações. O autor desse manuscrito, no entanto, é desconhecido.

De toda forma, esse documento é importante exatamente por ser o primeiro a registrar o nome dos reis magos: Bithisarea, Melichior and Gathaspa. Daí,
portanto, surgiram os nomes Baltasar, Gaspar e Melchior, também chamado de Belchior.

Os estudiosos do assunto afirmam que cada um dos presentes entregues pelos magos a Jesus possuía um particular significado: Mirra corresponde ao composto usado no embalsamamento, fazia referência ao sacrifício de Cristo e a sua ressurreição.

Ouro representava a realeza de Jesus Cristo, ressaltando o fato que ele era o rei dos judeus. Incenso: usado nos templos, era um presente exclusivo aos sacerdotes, reforçando, assim, a divindade de Cristo.

Sobre a estrela de Belém que os Reis Magos viram, foram construídas várias hipóteses. Inicialmente ,cogitou-se que foi um cometa, mas estudos de astronomia revelam que, ao que tudo indica, deveu-se à conjunção dos planetas Saturno e Júpiter na constelação de Peixes.

Neste sentido, os Reis Magos possivelmente decidiram viajar em busca do Messias porque, na antiga astrologia, Júpiter era considerado como a estrela do Príncipe do mundo e a constelação de Peixes, como o sinal do final dos tempos; enquanto que o planeta Saturno no Oriente, é tido como a estrela da Palestina.
GiseleLeite
Enviado por GiseleLeite em 01/01/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários