"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
professora Gisele Leite
Diálogos jurídicos & poéticos
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


A depressão se apresenta como a epidemia do século XXI. Afinal com tanto progresso tecnológico, o homem deixa de ter as funções básicas e muitas atividades hoje podem ser realizadas por máquinas e otimizadas pela tecnologica.

A internet erigiu uma gigantesca aldeia global trazendo uma ampliação dos pontos de vista, porém, abandonou a crítica e a reflexão que são tão necessárias para que haja a devida seleção de tais informações.

Cumpre ainda advertir que informação não se confunde com o conhecimento. Afinal, o conhecimento não é simples apropriação de informações e nem mesmo
sua possível memorização.
 
O conhecimento assim como o aprendizado se traduz em ser uma atividade intelectual realizada por um procedimento onde indagamos, questionamos, duvidamos, estabelecemos relações entre os diversos saberes e informações obtidas.

E, assim, se produz novas informações que novamente retornam a cíclica de novos processos pautados na observação, questionamento e reflexão. A informação metaforicamente é uma lista ou catálogo enquanto que o conhecimento é um sistema ou esquema o que inclui fatos, experiências, reflexões e, principalmente, crítica.

Ao saírmos da modernidade sólida repleta de conceitos e referências estáveis para a modernidade líquida conforme enunciou Zygmunt Bauman perdemos a possibilidade de haver "manual"  para nos guiar pelas inúmeras fases e variantes, assim navegamos num mar de valores altamente mutantes
e descartáveis.

E, as múltiplas condutas humanos ainda buscam o autoconhecimento para que ao nos aperfeiçoarmos construiremos um futuro melhor, mais humano e, principalmente solidário.

A depressão desponta como um fracasso diante de um ciclo cada vez mais competitivo, mas o possível remédio é procurar saber quem somos e o que, afinal, queremos.
GiseleLeite
Enviado por GiseleLeite em 29/05/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários