"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
professora Gisele Leite
Diálogos jurídicos & poéticos
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Então, o vilão tudo pode. Pode violentar uma menina. Pode matar um médico. Pode calar o cantor. O vilão com seus poderes malignos eivados de ódios e ressentimentos. Vingar-se de todos. Não há nada que o detenha. Não tem compaixão. Não conhece misericórdia e, então, é uma fábrica de defuntos e infortúnios. Todos o temem. Todos tem os mais horrendos pesadelos com ele, protagonizando uma tortura e, saindo de cena, com um sorrisinho maroto e quase infantil. Ou simplesmente sádico. Aonde foi que a vida errou de veia e se partiu? Aonde foi que a sua humanidade foi solapada. Teve mãe? Conheceu seu pai? Conheceu em algum mínimo instante algum afeto?  Alguma mão o amparou num momento de dor? Ou então, ele transformou a dor em linguagem e os gritos apavorados em sentenças de uma ópera trágica e cotidiana. Então, vilão tudo pode. Ele não é preso. Ele não é infeliz. Ele nem existe  de fato, é apenas um reles ser humano, travestido de carne, ossos e músculos, e portador uma doença terrível e enorme no coração, a mais pura e cristalina indiferença. Não tem remédio. Não tem tratamento e nem cirurgia. Quando será que os vilões desaparecerão? Talvez nunca. Talvez existam apenas para servir de divisor de águas. Enquanto isso, lá longe, a calota polar derrete, os mares aumentam, e catástrofes naturais sussuram delicadamente a morte de muitos. Há muitos vilões e poucos mocinhos. Perdoemos os vilões em sua solidão glacial.
GiseleLeite
Enviado por GiseleLeite em 14/05/2019
Alterado em 14/05/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários