"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
professora Gisele Leite
Diálogos jurídicos & poéticos
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Papo-cabeça

Carl Jung certa vez profetizou: "Todos nós nascemos originais e morremos cópias". Em nossa contemporaneidade presenciamos a vida num mundo sendo regida pela liberdade. O maior fundamento da vida em sociedade é a liberdade, que se desdobra em diversos meandros e aspectos que vai do pessoal, ao econômico e quiçá comportamental.

No entanto, o mundo absolutamente livre é possível apenas no plano teórico, pois, em verdade, somos reprodutores da ordem vigente e prevalente, seguimos rituais, cerimônicas e procedimentos. Apesar de que sofremos indubitavelmente influências externas dentro de um processo natural e, pior, dentro da macabra evolução natural.

Darwin já disse: "Não é o mais forte e nem o maior que sobreviverá, é o que melhor se adpatar". Não existe o pleno exercício da liberdade, pois tudo possui o seu contraponto e suas naturais limitações e contornos.

E, a existência de tais limites não implica necessariamente na ausência da liberdade  e nem tampouco um condicionamento robótico e irrestrito aos valores passados e legados por uma ordem superior e prevalente.

Temos que ter cuidado para não sermos escravizados, e muito menos colonizados pelo pensamento alheio ou alguma ideologia bastarda.  Aliás, a ideologia é particularmente nociva a sociedade humana.

Por causa dela, deu-se guerras, conflitos e extermínios sem precedentes.
Assim, as chacinas, os delitos e as vítimas restam reduzidas em estatísticas, somos números apontados numa curiosa tabela de Excel.

A estrutura de ser humano absolutamente livre, que exerce sua plena capacidade de raciocínio e afeto para discernir e buscar o que deseja, não é mesmo verdade. No fundo, nós somos todos domesticáveis em potencial. Somos condicionados e condicionáveis.

O controle social que é feito pela sociedade de consumo e seus valores cruciais que a tudo reduz a um certo valor mercadológico é cruel. Além de precário e obsoleto. E, a mídia com seus enormes tentáculos a serviço do grande capital e consumo, visa apenas a conversão de pessoas em consumidores e, com isso suas escolhas são dirigidas, manipuláveis e até previsíveis.

O mundo regido pelas aparências, pelo panis et circensis, o importante não é o ser, e sim, principalmente o que aparenta ser, diante dos olhos alheios, e do consenso social.

E a grossa teatralidade contemporânea nos impõe um palco onde as cortinas nunca se fecham e, nossa mente cansada, se queda, diante de mil repetições, insistentes apelos que tanto me faz lembrar o prestigiado Ministro da Propaganda de Hitler, Goebbels que afirmou: " Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade".

Por vezes, nessa restrita liberdade que nos resta, somos apenas meros expectadors da batalha desigual e opressora. O que podemos fazer contra a servidão? Não sermos súditos.  

Lembremos que a cada vez que nossa consciência se expande, ela jamais retorna ao seu tamanho original. Aquele que realmente se liberta, não retornará à prisão e, por mais que sejam adversas as condições, há um latente princípio de autonomia que clama por enxergar sempre caminhos e apostar na esperança, pois a chave que prende e fecha o cadeado é a mesmíssima que liberta e alforria as almas.
GiseleLeite
Enviado por GiseleLeite em 04/04/2019
Alterado em 05/04/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários