"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
professora Gisele Leite
Diálogos jurídicos & poéticos
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Um novo humanismo cibernético

A autora se espanta com o exacerbada certeza da era cibernética e com os avanços tecnológicos que jamais conseguirão traduzir um autêntico humanismo.


A era da mediocridade, do medo e da mortalidade definitivamente acabou. A era do homem enquanto criatura moral acabou pois agora ele molda seu meio ambiente, escolhe seu fenótipo, seu perfil psicológico, sua destreza e habilidades, seus dotes e dons e pecados.

E pode replicar-se à vontade. E pode criogenizar embriões, congelando a vida para mais tarde fecundar a fêmea ideal... Pode adiar infinitamente a morte e fazer da criação um ciclo vital e absolutamente renovável.

A priori, nos especializamos em fabricar a morte com a precisão estratégica e, sobretudo fabricando poder nas mãos de quem detenha a melhor arma, a mais avançada tecnologia e de parca alma.

A era do homem, misto de paradoxo e axioma é finita! Todos são mormente catalogáveis por códigos de barra, por número de série, habilidades e defeitos inscritos previamente no secreto genoma, que parece ser desvendado pela engenha genética.

E tudo é absolutamente previsível, a realidade não passa de um mero vaticínio das previsões científicas, históricas, biológicas e culturais completamente absolutamente inexoráveis. Vivemos num louco determinismo.

A criatura agora “banca” o criador e de maneira pungente arquiteta o fim de etnias, o nascimento do homem perfeito, psico-bio-socialmente adequado. Onde tudo é computadorizado, digitalizado e gravado em um minúsculo CD.

Não haverá mais crimes e nem blasfêmias. Todas as feridas serão fechadas e cicatrizadas à laser.. Todas as patologias banidas e esquecidas em prontuários que se transformarão em documentos históricos

Todas as besteiras do mundo findaram para sempre, desapareceram as piadas de mau gosto. Pois todos serão infinitamente bons, inteligentes e completos. E acredito terrivelmente chatos...

Não haverá heresias, insurreições, rebeliões, guerra, guerrilhas ou mesmo as vias de fato.

As células-tronco serão competentes em reconstituir fígados, cérebros e pâncreas...

O fato, a história será uma equação solitária sem nenhum incógnita... A crítica se fará desnecessária pois tudo será uma uníssona virtude.

Mas esta etnia eclética e competente jamais terá a sensibilidade dos românticos, a sutileza dos impressionistas, a leveza dos góticos e, sobretudo não terá a fuga do irracional, a imponderabilidade do barroco.

Não haverá a solidariedade da luz de Rembrandt, a alegria de Picasso e todos os mares lindos de Pancetti.

Não existirão as perplexidades históricas ou impasses políticos e a salutar e sagradas dúvida acadêmica.

O cogito ergo suum, traduzirá um pensamento sem a abstração da matemática e a imaginação da álgebra e nem conhecerá o malabarismo da trigonometria. Será um número desprovido de grandeza e expressão. Pois a grandeza da humanidade sucumbirá ultrapassada pela obsessão da certeza.

Um chip localizará meu filho em qualquer lugar do planeta... e os empregados serão localizáveis facilmente pelos patrões...(o big boss).

Eu, continuarei reles, fielmente errônea, vulgar, comum, vagabunda e vira-lata, e fadada à extinção terei uma morte comum, com direito à uma cova rasa e sobretudo a viver ao ciclobanal dos pensantes que deixam suas idéias para a eternidade dos ventos.

Carpem die.. Aproveite o dia!

Quero tudo de novo, o anjo torto de Drummond, o gauche de Chico Buarque, o domingo no parque de Caetano Veloso e, sobretudo o carcará na voz de Bethânia. – Pega, mata e come!

Em melhor versão , é claro, Pega, mata a fome!!

Este artiguinho é dedicado ao amigo Professor Sérgio Rubens Barbosa de Almeida, e ao seu maravilhoso livro Manifestações do Sagrado na Épica Medieval: um recorte em três textos La Chanson de Roland, El cantar de Mio Cid das Nibelungeernlied Editora UEL,a dádiva de nesta trajetória mortal ter conhecido tão brilhante intelectual e ainda gozar de sua cordialidade e amizade.
 
GiseleLeite
Enviado por GiseleLeite em 14/02/2007
Alterado em 20/06/2014
Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários