"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).

professora Gisele Leite

Diálogos jurídicos & poéticos

Textos


 
Finalmente quando chega a maturidade até nossos ossos, e nos fragiliza naturalmente, aprenderemos a perdoar. Entender sem julgar. E, virar a página das pequenas tragédias humanas inexplicáveis. Desencontros, mortes e mágoas que desaguam num lugar comum e oco. E parece sem fundo, tal como o abismo, que nos olha e nos questiona avidamente.
Envelhecer é laborioso e complexo. Por vezes, nossa mente está agitada e tão jovem quanto antes, mas nossas pernas não respondem...nossos pulmões arfam sem ar e, nosso coração transforma o batimento cardíaco num bumbo de pelotão de fuzilamento. 
Nossos olhos, de retinas irremediavelmente cansadas, se deparam com dejà-vu, há um roteiro recheado de scripts, onde há frases, falas, interjeições, expressões faciais e sobretudo a tristeza repetida.
E nessa reprise sem graça onde não há a pipoca e o guaraná... não há o burlesco que consiga ser cômico e o trágico é tão clichê que chega dar dor de cabeça.  
Um dia desses, eu me flagrei antecipando as reações humanas dos que me cercavam... e, aí ficar sozinha com meus pensamentos e palavras pareceu-me ser uma coisa agradável e condizente.
Poucas coisas nos surpreendem,  sejam positivas ou negativas. Há uma turva relativização de tudo, valores, sentimentos, vetores e, até sensações.
Ficamos mornos, já não aquecemos tanto ao ponto de fritura e nem ficamos frios iguais os icebergs... O olhar já sem viço, possui uma angulação peculiar, pois o foco torna-se a panótica. E, o tudo em sua dinâmica parece síncrone, e apenas nossos pés estão fora do ritmo.
Dançamos numa sinfonia. Somos patéticos em peripatética.
Talvez um dia, quando já haja mais tempo para refazer caminhos e reparar os danos., conseguiremos entender melhor, abrigar com generosidade as diferenças e, no grande mosaico do universo achar, ao menos, uma pequena galáxia onde sobreviver inclua obrigatoriamente a dignidade.  
Talvez um dia... mas se ele não chegar.
Que as gerações futuras assumam as lutas necessárias para preservar não só o planeta e o meio ambiente do qual depende a vida. Mas, também para que se possa morrer com o sentimento de dever cumprido e, pelo menos, de tropeços bem instrutores.
Pois errar é preciso. Ser perfeito não é preciso. O ideal é um ponto distante no horizonte que sempre nos foge mas nos impulsiona até o momento fatal. Ou até algum aperfeiçoamento.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 03/02/2019
Alterado em 03/02/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
iDcionário Aulete