"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).

professora Gisele Leite

Diálogos jurídicos & poéticos

Textos


Eis o paradoxo, a desafiar a lógica. A zombar de afetos e lembranças. Eis o paradoxo que nos cutuca. Incomoda-nos a fazer refletir em ter riquezas ou ter vidas. Ter o concreto ou possuir o etéreo.

Em ter escolhas ou ser um lacaio guiado pelas circunstâncias. Em ter  liberdade ou ser mais um inseto em volta da lâmpada. Que segue instintivamente em busca de luz e aquecimento.

Eis o paradoxo. A questionar, quantos por quês restam sem jamais serem respondidos? Quantas causas ocultas sussurram na pemumbra do tempo ou os desvãos do caminho ?Você foi à direita. Outros à esquerda. E, outros ainda, não acreditavam nas opções oferecidas. Estancaram.

No leque imaginário de soluções, a abanar o desvario, a indecisão e  angústia. E no vento que soprava respostas ininteligíveis.

Eis o paradoxo, de novo e, de novo. Será morte o fim dos paradoxos? Será a vida eterna o estigma de expiar os pecados pela sofreguidão de procurar a ser perfeito. Além de adequado e eficaz. 

Ser perfeito, feliz e pleno na finitude cúbica de planeta aquoso.

Eis o paradoxo, o remédio que é um pequeno veneno a comportar alguma cura e propiciar uma eternidade mínima para haver só arrependimento. Quanta palavra malsã arremessada na conversa enviesada, quanto grito de dor sufocado capaz de semear tempestades e ódios instantâneos.Quanto silêncio agnóstico que só gritava perplexidades.

Quanto gesto inexplicável. Rejeições, aversões e, sobretudo, o medo. Eis o paradoxo se não enfrentamos nossos infernos e demônios, não conheceremos a paz e compreensão. Se não adentrarmos ao redemoinho, jamais conheceremos a dinâmica.

Se não desafiamos a lógica e a retidão, não conheceramos a sabedoria intrínseca de tudo.  Contida na ameba, no parasita, no inseto, nos dedos em digitação e da mente inquieta que suicida, pois se abandona sem semântica, semiótica ou interpretação.

Por vezes, tudo que temos, em verdade, são paradoxos. Aliterações, charadas e chistes. Que nos soterram pois acreditamos que estávamos seguros. Porque acreditamos no próximo, quando tudo pode ser apenas mais uma mera ilusão. 

Quando percebemos o outro é uma projeção invertida de nós mesmos, como num espelho, onde o côncavo e convexo conversam animadamente.

O único e último vestígio da realidade que temos, por fim, é o paradoxo.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 31/01/2019
Alterado em 31/01/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
iDcionário Aulete