"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


A vida é uma pendência da morte.
Enquanto vivemos
acumulamos coisas, vestígios, traços
e pertencimentos.
Vem a morte e todo o
acúmulo é lixiviado.
Eliminado.
Transformado em herança ou legado.
Deixado.
Abandonado.


Pedência poética.
Sem rima,
sem lirismo.
A vagueza de ideias
dependuradas no varal do sentimento.
Algumas ideias secas e desintegram-se
Outras ideias, balouçantes ao vento
Conspiram com a eternidade.

Não morrem, são apenas
reticências de nós mesmos.

Uma frase inacabada.
Uma poesia inacabada
Uma obra inacabada.

Mas o espírito é findo.
O amor é finito.
O esquecimento é peremptório.
As ilusões alimentam enganos
e devaneios.

A sensação de estar presente.
Mas a presença é crença.
É sombra apesar da luz.
É paradoxo pacífico.


Há uma nesga de lirismo
num copo dágua,
na chuva,
no orvalho.
No planeta inteiro,
que quase todo água.

Na água do banho
lavo minhas culpas áridas,
lavo minhas palavras secas,
E, sobretudo, a alma
embriagada de poesia
de rimas e beleza catatônica.

A vida é pendência da morte.
A morte é pendência dos sobreviventes.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 03/12/2018
Alterado em 06/12/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr