"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


Meus velhos olhos enxergam
coisas inéditas.
Meu velho corpo
reconhece almas ímpares.
Há diferenças imensas,
reprodutivas e cifradas.
Há igualdades submersas,
invisíveis e indecifradas.
 
Preciso da enciclopédia do espírito.
Preciso dedilhar toda a escala musical.
Preciso pintar a oleo, aquele sol se pondo.
Sangrando e tornando as nuvens liláses.
Como buquê de despedida.
 
O que será de nossos velhos sentidos?
Quando, no fundo, sabemos que não há sentido algum.
Nunca existiu outro sentido.
Que não aquele que construímos.

Não há sentido na sombra.
Na árvore ou nos frutos.
A primavera intrínseca.
No verão desértico.
Que não se colore, que não 
 exige ser notável.
A beleza acontece por simples acaso.


É humano irremediavelmente humano.
Paradoxos se controvertem
e rolam no chão da sala.
Como dados na mesa de jogo.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 01/12/2018
Alterado em 06/12/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr