"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


Acabara de ter uma notícia trágica ao telefone. Colocou o fone no gancho.
Procurou vestir-se. Calças compridas, uma camisa qualquer e sapatos...
Percebeu que o tempo estava nublado. Seria recomendável levar também o
guarda-chuva. E, assim, procurou a bolsa, colocou lá dentro o celular, sua 
conexão externa com o mundo, e, finalmente saiu.  

Em seu feudo particular e íntimo, organizava as ideias como estivesse diante 
de prateleiras. Etiquetava mentalmente cada prateleira. Depois, ajeitava-as.
Uma a uma. Em lá chegando, encontrou um cadaver, de expressão sofrida, ainda nu e de braços abertos. Recebeu a morte literalmente de braços abertos. Seus olhos estavam abertos e com uma expressão suprema de dor.
E, a rigidez cadavérica não permitia mais que se fechassem as pálpebras.

No entorno, havia um furdúncio intenso orquestrado por conhecidos, amigos e principalmente  por curiosos. Podia perceber os olhares tortos e reprovadores sobre mim... Mas, lá estava apenas por conta de minha filha. Porque no fundo, o finado já era falecido para mim, há muito tempo atrás.

É como preparar o morto para a morte. Vesti-lhe as calças, porém, a camisa não foi possível. Então amarrei-lhe os braços em amplexo, com um lençol, ficou parecendo uma semimúmia.

Por derradeiro, retiraram-lhe a aliança e o relógio. E, logo surgira seu irmão, como candidato pedinte pelos seus apetrechos. A filha, abalada deu sem pestanejar. Eu, no primeiro momento, não aceitei, resmunguei. Mas, depois, pensando bem, foi melhor assim. Rezei uma prece, pedi muita luz e paz para aquele espírito. E, depois que seu corpo partiu. Fechamos o apartamento e partimos.

Fomos direto ao Ramatis para tomar passes e rezar. A alma pesava feito um fardo. E, a consciência folheava flashes do passado. De forma lenta e indigesta.

Se esquecer é perdoar, eu perdoei. Mas, se não for... talvez esquecer certas  vilezas fosse apenas mais uma estratégia de  sobrevivência. No fundo, já esperava aquela morte trágica... mas ser a pessoa a lhe providenciar uma nesga de dignidade para o corpo desnudo, não... São os paradoxos decifráveis do destino.

Abre-se uma porta e fecha-se outra. Tudo é encadeado e lógico, o problema que nem sempre aprendemos a ler corretamente. A alfabetizaçao da alma é lenta e complexa.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 27/11/2018
Alterado em 27/11/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr