"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


Diário da poesia perdida


Estava flanando pelo outono quando algo se aqueceu com o sol,
chorou com a chuva e, finalmente, cristalizou-se com inverno que ainda era promessa.

Preciso fazer uma faxina nesse túnel do tempo. Desencavar tesouros, palavras e emoções adormecidas. Tirar os afetos da bangunça e ordená-los,
guardá-los como se fosse tesouros...

Preciso desses trilhos, a me conduzir por um caminho demarcado.
Sempre à procura da poesia perdida. Vagante... aspirante entre oxigênio e mistérios.

Mas, a atmosfera era pesada e tristonha Dava para cortar com uma faca e
dividir o infinito ao meio:De um lado, a rotina. De outro, a incerteza.

Eram metades desiguais. Como quase tudo que há no mundo.

Mas, nesse dia, na caçada a poesia. Não adiantava laços, armadilhas,
correntes ou prisões. Ela era livre verdadeiramente. Estava além dos homens, das mulheres, das crianças, dos gatos e cachorros ou mesmo
das plantas... A poesia diária e contundente, nos derruba literalmente na filosofia hídrica das lágrimas.

 
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 29/04/2018

Música: 15 W.A.Mozart _Requiem In D Minor K. - Desconhecido

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr