"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


Não amo você.
Não desejo você.
Não enxergo você.

Tudo que me passa
é essa brisa impune.
É esse sentimento
em devaneio
que flui dentro de um corpo

E transborda.
Pelos poros,        
pelos olhos...

Esse sentimento
que como cimento
 que seca, solidifica
e quebra.

Não tenho rancor.
Não tenho afeto.
Não tenho mágoa.

Existe um buraco negro
sem asteróides
Existe uma galáxia
desconhecida
 e anônima

Procurando no universo
uma razão para existir.

A luz vem de manhã
com uma estrela de quinta
grandeza

Penso na hierarquia dos astros
Na escada do dia-a-dia

No degrau
Na hesitação.
Nessa negação.
Pois não amo você.
Se amei.
Se amarei.
Ninguém sabe.
Nem mesmo eu.

O que sou capaz
dorme em mim em potência.
Latente junto aos nervos.
Pungente junto aos músculos.
Afogado em semântica e 
paradoxo.

O que não sou capaz.
O que não nunca saberei.
Nem mesmo uma leve suspeita.
É sobre a alma.


Não tenho piedade de você.
Misericórdia, talvez.
Arrependimento, talvez.
Mas, a poesia irremediável
me faz confessar o lirismo
do encontro.

E o infinito das encruzilhadas.
A esquadrinhar um abismo
de sentimentos perdidos,
de vestígios apagados.
E, de esquecimento-alívio.

Hoje, apenas caminho sozinha
Acompanhada pela sombra
de minha poesia.
Fiel.
Oblíqua
e provável.
 
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 10/04/2018
Alterado em 10/04/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr