"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


Não dá mais tempo para amar.
Amar é trama complexa.

Não dá mais tempo para odiar.
Odiar é uma trama ainda mais complexa.

Nós, arabescos, teias, meandros,
sutilezas e, sobretudo, essências
voláteis ou não...

Não dá mais tempo para esquecer
Tudo foi gravado nas chamas da paixão.
Nos invernos da solidão.
E nos silêncios encriptados
do olhar.

O horizonte ali estendido.
De dorso aberto, de sonhos dispersos
e de reticências plúrimas

E nada foi respondido.
O paradoxo.
A questão intrincada.
O dilema burlesco.
A dúvida frugal.

E, a chuva lá fora
enxagua minha agonia
em gotas sutis e verticais.
Tempestades intestícias.

A lixiviação mental.
Arrastando para fora
os pensamentos maus.

Tirando eu de mim.
E deixando-me sem pertencimento.
Para ser apenas do universo.

E, os trilhos no meio da cidade
a traçar um caminho certo
de destino incerto.
A diminuir a calçada.

Velozes passam as mensagens
Gritos humanos.
Fonemas semânticos.
E, a mão que afaga
mas pune.

A punição que educa
Mas, magoa.
Dor, mestra nossa, de todos os dias.
De todas as horas.
Torneando-nos a existência.

Pois somos pássaros sem asas.
Pois somos abelhas sem mel.

Somos o animal indecente
que mata sem fome,
que foge da responsabilidade,
que trapaceia até os instintos.

E, aí, descobre:
Não dá mais tempo para amar.
Só nos então resta entardecer.

Vestir-se rubramente
para a noite que encobrirá 
tudo, bordando estrelas
no firmamento.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 23/02/2018
Alterado em 23/02/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr