"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos




A pobreza dos olhos
Secos, sem brilho
A aspereza das mãos
Dedos rachados,
destinos traçados
na palma da mão
dolorida e calejada.

Corpo esguio
Cabelos ao vento
Sujos e poeirentos
A mirada ao chão
como suínos
Sem nenhuma dignidade
para erguer a cabeça
acima dos ombros.

O caminho palmilhado
parecia infinito.
Cada pedra,
cada árvore seca ou
cactos
E, o céu incendiado
pelo entardecer.
Um passo,
uma pegada
e algum vestígio.

Talvez fosse possível
comer as cinzas.
Abrandar o fogo interior
Nas lágrimas
na colina imaginária.

Ou no gelo do coração
adormecido.

Veio a chuva
E, tudo ficou hídrico e lindo
de repente
Lamacento
Colorido.
Palpável.

O ocre amarelou-se.
O vermelho,
roseaseou-se

E por fim, sobre o
negro mágico da noite.
As estrelas vieram
narrar em sussurros
o que o outro dia
trará.
Profecias.

Olhos tristes
Lágrimas caminhantes
Espinhos recentes
Rosas, violeta
e orquídeas.

Havia uma primavera implícita.
Um verão suspeito.
Um inverno inverossímil.
E, o outono a revelar
nas folhas
a direção dos ventos
e o sabor dos frutos.

A boca recita a
reza possível
para uma crença apenas
provável.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 02/01/2018
Alterado em 02/01/2018

Música: Fim da Linha (End of the Line) - Baden Powell

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr