"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


Perdoem-me
Não posso ser feliz.
Há gente lá fora morrendo
de fome e de sede.

E, há também os que morrem
de falta de afeto.
Morrem a míngua...
Diariamente e habitualmente.

Diante da indiferença.
Da negligência e porque não dizer
da elegância discreta 
de fingir que eles não existem.

São apenas ressalvas
do cenário.

Perdoem-me
Não consigo ser feliz.
Quando existem crianças sentenciadas
pela subnutrição e privadas de educação,
do direito de ter infância...

E, já em tenra idade,
retiram das pedras
a sobrevivência diária,
em meio a miséria e excrescência.

Perdoem-me.
Não posso fingir tão bem.
Ser a atriz de cenas memoráveis.
Sorrir de tudo e para todos...
Apresentar um semblante
plácido enquanto as águas revoltas
enchem de lama, morte e medo
os caminhos,
Insultam os passos com as
vantagens da inércia.


Que jogam nossos jovens no
descaminho das drogas e 
prostituição.

Desculpe-me.
Não consigo alienar-me tão
perfeitamente...
E, acreditar que existe salvação
pelo menos para a maioria
dessas pessoas.

Que são sublimadas.
Que estão contadas estatisticamente
Para serem números em planilhas.
Em programas sociais com intuitos 
políticos-partidários...

O que eles têm são direitos.
E, os oferecem como se fossem 
migalhas e esmolas.

O que eles têm são garantias.
Mas dormem ao relento.
Mas pernoitam em rodoviárias.
Em aeroportos.
São vítimas contumazes da
estatística fria de óbitos prenunciados.

Perdoem-me o semblante
etruscamente pesado.
A caminhar tristonha com
olhar pousado no horizonte.
Querendo saltar no fundo...
Mergulhar no torvelhinho.

Bem que queria ter maiores
esperanças,
mas envelhecer, as fazem
cair como folhas de outono.

E, o dejá-vu?
Scripts repetidos.
Papéis e vilões reprisados.
Situações falsamente enigmáticas.
A esconder apenas o óbvio:
a avareza de quem sempre
quer ganhar mais...
Lucrar mais..
Ter o luxo sustentado
pelo lixo humano.

Ter centenas e milhares.
Cifras, valores, jóias e
prestígio.
Enquanto que muitos sequer
tem o mínimo...
Nem dignidade.
Nem reconhecimento.
Nem teto e nem alma.

Tenho vergonhas impublicáveis.
Tenho textos censurados.
As vezes, cometo lições impróprias.
Pois o realismo é amargo.
É cruel...

Mas, como posso ensinar a
sobrevivência, se navego
num mar de amenidades
e mentiras?

Como posso salvar o náufrago?
Se ele negligencia o respirar.
O oxigênio.

E a necessidade continua
de ser humano.
Demasiadamente humano.
E, capaz de humanizar a
tudo e todos.

Perdoem-me
A minha tristeza é
catedrática.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 13/08/2017

Música: etienne - hamilton-de-holanda-

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr