"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


Perdoa minha rudeza
Perdoa minha crueldade diária
e rotineira.
Perdoa meu jeito subliminar
Perdoa os traços apagadiços.
O tracejado de reticências contundentes
Feito navalhas a cortar
em silêncio todas as dores do peito.

Perdoa a falta de tempo
Perdoa a falta de afeto,
apego ou âncora
Pois sou uma nau em naufrágio
em busca de decifrar os abismos.
E mapear a geografia dos umbrais.

Perdoa a chibata das palavras ásperas
Perdoa os medos que povoam 
as frestas e os sentimentos
intrincados de melancolia e
alegria.

Perdoa a distância engolida pelo tempo
Não sei mais de sua vida.
Por quais caminhos anda e tropeça?
Por quais sentidos navega e aporta?
Existirão ainda o cais e o infinito?

Perdoa essa poesia
sem sentido
com pretensões a indulto.
Deixai passar a raiva.
A frustração e guarda  apenas o
que foi melhor de mim.

Guarde o relicário.
Ou esqueça com saudades.
Pois o poeta transforma
o sofrer em lirismo absurdo e
açucarado
que desponta toda manhã
a decorar roscas comestíveis.

Perdoa.
 Pois a vida é o perdão da morte.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 16/07/2017

Música: Asturias - Albeniz

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr