"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


As cores desbotaram
O amarelo se espalhou em meu cabelo
O vermelho manchou-me a camisa
E o azul, etéreo como sempre
ficou suspenso no ar
E flutuava entre as nuvens
E pairava sobre as dúvidas
e as dádivas.

Na luz, havia o branco...
E, nas trevas. havia o preto.

Há um silêncio duro no escuro.
Que se pode cortar com navalhas
Navalhas preciosas da consciência

Fragmentava-se a cor em outras cores.
O verde, nascido do amarelo e azul.
O lilás, nascido do vermelho e azul.
No fundo, há muito azul em tudo.

Há muito céu em tudo.
Com as tempestades.
Ventanias.
Com entardecer pungente
A se despedir da aurora.

As cores desbotaram...
Havia o cinza a plasmar
o caminho.
A trigonometricamente
posicionar as pedras.

Havia uma álgebra misteriosa.
Cheia de incógnitas
que se revelam com o tempo
E, o tempo que
se esconde nas incógnitas

Eu conheci as cores na primavera.
Mas elas já existiam
no inverno passado.
Elas já queimavam no verão.
Tórridas percorrendo corpos.
Sensações e lembranças.
As cores desbotaram
Pois você foi embora.

Mas, não quero a vivacidade
de volta.
Pois a vida reciclada,
ainda está viva.
Tinjindo os momentos.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 18/06/2017

Música: Rapsódia Sobre Um Tema de Pana - Idil Biret (piano),

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr