"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
Textos


 
Em sua obra "Amor Líquido", Zygmunt Bauman trata da fragilidade dos laços humanos. Como foi um dos mais prestigiados estudiosos da vivente modernidade tardia, sua obra se destacou por fazer análises do cotidiano contemporâneo, e mais propriamente, dos vínculos sociais possíveis, onde predomina a intensa velocidade e a angústia, considerando que nossas ações ainda quando efetuadas mudam constantemente, antes mesmo de se consolidarem nas práticas diárias.
 
Bauman abordou  a ambiguidade inerente aos dias de hoje, a dor e a delícia da possibilidade de ter acesso a tantas coisas e pessoas e da forma de estar potencialmente pronto e aberto para novas relações e apropriações, tornando assim imediatamente as primeiras relações, meros resíduos.
 
Nesse contexto há dois aspectos principais, a saber: o primeiro que corresponde à vontade de liberdade, inerente à constante busca pela individualização e identidade. O segundo corresponde à velocidade, responsável pela inconsistência das relações e pela alta produção de dejetos.
 
Afinal, tanto as coisas como as relações, não são mais feitas para durar, há sempre novos produtos, novas mercadorias, cada vez mais modernos, mais atraentes e estimulantes para serem consumidos.
 
E, o filósofo apontou as consequências provocadas pela busca frenética da liberdade em detrimento da vida social estável.
 
Nessa obra em particular, Bauman conferiu outro significado à liquidez quando referente às relações humanas, de teor inverso ao usado nas relações bancárias. A liquidez referente às importantes somas de dinheiro significa realmente a possibilidade de realização de qualquer desejo que envolva o consumo[1] de segurança.
 
 Ao passo que a liquidez do  amor, em derradeira instância, representa a possibilidade de um sentir desprovido de segurança. O livro informou no prefácio que foi dedicado aos riscos e às ansiedades de se viver junto, e separado, em nosso líquido mundo moderno.
 
A obra procurou aprofundar-se na análise das relações humanas em geral e, observou também a sociabilidade nas cidades modernas a partir da tecnologia. Procurou demonstrar que as relações afetivas revelam-se essencialmente ambivalentes e, o desejo pelo amor eterno[2] e pela segurança sofre com as oscilações psico-químicas relativas ao estado de enamoramento e, ainda, com o medo de perder algo enquanto se está preso e atado a alguém.
 
Logo, existe o desejo paradoxal de se ter o pássaro que voa ao mesmo tempo em que se tem outro pássaro nas mãos. Bauman caracterizou as relações humanas e contemporâneas a partir da fragilidade e a flexibilização que apresentam.
 
O homem sem vínculos que atua livre de compromisso com outrem, porém resta preso de forma psicológica e espacial por medo do outro.
 
Afinal, o homem sem vínculos é corroído pela insegurança. Da natureza liquefeita dos laços sociais na modernidade que são, assim como no holocausto nazista, fenômenos decorrentes da racionalidade da modernidade, embora sejam mais especificamente relacionados à globalização[3].
 
Apoiando-se em Sigmund Freud que representou também o elemento fundador da civilização, “o amar ao próximo como a si mesmo” corresponde afirmar que a sobrevivência de um ser humano, torna-se igualmente a sobrevivência da humanidade no humano. Enfim, Bauman percebeu que o germe da moralidade é o amor-próprio, mas este, só é possível, quando somos amados[4]. Estabeleceu-se então um processo relacional.
 
Porém, as relações humanas estão em reconfiguração guiadas pelos princípios do consumismo, caracterizado mais pelo uso e pelo descarte de bens do que propriamente por seu acúmulo. Para a juventude contemporânea, por exemplo, o relevante é o maior número de bocas ou coitos que se deram numa noite. Na sociedade contemporânea onde a memória produzida está à venda, o outro se transforma em mais uma mercadoria disponível para o consumo[5], o chamado consumo emocional[6].
 
Tais mercadorias, sejam filhos, amigos, amantes ou cônjuges, são passíveis de investimento, requerer tempo e recursos e seu valor são, então determinados pelo custo desse mesmo investimento.
 
As relações humanas se tornam progressivamente mais flexíveis, gerando altos níveis de insegurança. E, as relações afetivas e amorosas passam a ser vivenciadas de uma maneira mais insegura, com dúvidas acrescidas à já irresistível e temerária atração de se unir ao outro.
 
Nunca existira tamanha liberdade de escolha de parceiros e arranjos afetivos, nem tamanha variedade de moldes, modelos de relacionamentos, no entanto, em nenhum outro tempo, os casais se sentiram tão ansiosos e prontos para revisão ou reversão, manejando o rumo da relação numa dinâmica de anos-luz,
 
Se um relacionamento não está bom, parte-se para outro. A verdade é que um relacionamento intenso pode transformar a vida num inferno, contudo, nunca houve tanta procura para relacionar-se com alguém.
 
Bauman pareceu ver homens e mulheres presos numa trincheira sem saber como sair desta e, o que é ainda, mais cruel e dramático, sem reconhecer com clareza se querem sair ou permanecer nela. Por isso, movimentam-se em variadas direções, entram e saem de casos e relacionamentos amorosos com a esperança mantida à custa de grande esforço, tentando acreditar sempre que o próximo passo será o melhor.
 
Então, a conclusão não poderia ser outra, a solidão existente atrás de uma porta fechada de um cômodo com um celular[7] à mão pode parecer uma condição menos arriscada e, portanto, mais confortavelmente segura, do que compartilhar um território doméstico comum.
 
A redução dos sentimentos às reações químicas tem o endosso da ciência que até propõe prazo de eficácia e, garante tanto aos homens como as mulheres que estão insatisfeitas, porém permaneçam  persistentes e continuam a procurar a chance de enfim, encontrar a parceria ideal[8], abrindo novos campos de interação, tais como os pontos de encontros virtuais, nos quais a liquidez das relações é evidente e o risco de comprometimento, de vínculo, torna-se absolutamente controlável, bastando apenas desligar-se, cancelar a conta ou apagar o login.
 
Radicaliza-se a possibilidade de “amor inventado”[9], tão poeticamente previsto na música de Cazuza, pois não havendo as certezas de amores verdadeiros ou mentirosos que atendam à vaidade humana, fica mais fácil, convencer-se de que nunca existiram e, rapidamente, já se está pronto e apto para outro amor, na incessante e alucinante maratona em prol da satisfação do desejo.
 
Observa-se o crescente interesse e prioridade pelos relacionamentos em redes[10]. Que podem ser tecidos e desfeitos com maior facilidade e frequentemente sem que isso envolva nada mais que um contato virtual[11], e perdemos, dessa forma, a capacidade de cultivar e manter laços por longo tempo.
 
Enfim, a proximidade no espaço contemporâneo não mais requer a contiguidade física e, nesta determinada pela maior  proximidade concreta, embora seja tolo e irresponsável culpar a tecnologia eletrônica pelo constante recuo da proximidade física e contínua, pessoal, direta e face to face, dotada de multifacetas e multiuso. Os mecanismos tecnológicos contribuem para o afrouxamento de relações humanas, transformando-as cada vez menos compromissadas mas não são as principais causas determinantes.
 
Mas, isso não significa que sejam menos responsáveis por este fenômeno. Os chamados casamentos ideais e com maiores chances de durabilidade são aqueles em que os parceiros não partilham de espaço comum. A falta de recursos financeiros suficientes para custearem integralmente as despesas de uma vida adulta e independente, passa ter peso e acarretam a majoração de número de casamentos informais, ou uniões estáveis, sem o papel passado[12].
 
Ainda que a legislação e o Direito de Família contemporâneo praticamente venham garantir todos os direitos dos conviventes, ao menos, subjetivamente e psicologicamente, os indivíduos envolvidos nessas uniões estáveis se sentem mais livres e leves do que os casados oficialmente.
 
Percebe-se que a relação liquefeita se desfaz ao fim do interesse que outrora as mantinha. Os vínculos, os afetos e compromissos são considerados como pejorativos grilhões que impedem os diferentes consumos e, o estabelecimento de novas relações pautadas em interesses concretos.
 
No entanto, a solidariedade, é fundamental para o bem-estar da comunidade, ainda não é consumível, posto que seja decorrente de laços mais estreitos e fortes que envolvem deveres e responsabilidades em relação ao outro.
 
Identificou Bauman a lógica de segregação espacial e social, decorrente da sensibilidade quase alérgica aos estranhos e ao desconhecido e, aliada ainda, a incapacidade de aceitar do humano na humanidade, em função de ausência de compromisso com o próximo.
 
Enfim, o medo reina e domina. A segregação é imposta e escolhida. Preferem-se os vínculos virtuais e evita-se o contato indesejável, com aquele que demanda certo tipo de compromisso que lembra o fundamento da civilização.
 
“Amar o outro como a si próprio” significa um comprometimento, vínculo, querer, para ele aquilo que se tem. Mas, a maioria dos indivíduos encarcerados em condomínios e feudos urbanos, preocupados em proteger e salvaguardar seus bens, sejam materiais ou imateriais, não se considera responsável por aquilo que os muros e todo o sistema de segurança deixaram do lado exterior[13]. Assim, a miséria do outro, as necessidades prementes do outro, a diferença extorsiva e constrangedora revela-se desagradável e só nos causa estranhamento.
 
Não à toa a Europa contemporânea vem vivenciando nova onda de xenofobia[14]. Em resumo, Zygmunt Bauman teve por objetivo, nesta obra, alertar sobre a urgente necessidade de se buscar efetivamente a humanidade comum para que seja possível outra vez unir projetos individuais e ações coletivas, e, para que seja também possível ter a consciência da angústia do eterno começar de novo.
 
O derradeiro consolo apontou Bauman diante tamanha realidade sombria produzida pela modernidade líquida é a simples constatação de que a história ainda não findou e, que as escolhas ainda podem ser feitas. Advertiu também que é preciso trabalhar para promover e tecer o diálogo e a abertura ao outro, de forma  se aproximar a história do ideal da concreta e existente comunidade humana.
 
Referências
BAUMAN, Z. Amor líquido. Sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.
CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999. v. 1.
FREUD, S. O mal-estar na civilização. Rio de Janeiro: Imago, 1996. (Obras psicológicas completas da edição Standard Brasileira).
RESENDE, Adriana Torquato. Amor Líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Disponível em http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/tint/article/download/6414/4543 Acesso em 10.01.2017.
 
[1]  O homo consumens faz da compra a sua terapia e a busca pelas melhores ofertas a cura para a sua solidão. Assim, a solidariedade, a amizade e as parcerias são encaradas como atitudes anárquicas contra a tirania do mercado.
[2] No Banquete de Platão, a profetisa Diotima de Mantinéia ressaltou para Sócrates, com a sincera aprovação dele, que o amor não se dirige ao belo, como você pensa; dirige-se à geração e ao nascimento no belo.
Então amara significava querer, gerar e procriar e, assim o amante busca a coisa bela na qual possa gerar.
O amor é afim à transcendência: não é senão outro nome e para o impulso criativo e como tal carregado de riscos, pois o fim de uma criação nunca é certo.
Concluiu Bauman que a essência do amor é ser refém do destino. É muito tentador concluir que o efeito dessa aparente aquisição de habilidades tende a ser, tal como no caso de Don Giovanni, o desaparecimento do amor, uma exercitada incapacidade para amar.
[3] As forças da globalização dissolvem o mundo pessoal e os sujeitos procuram agarrar-se a si mesmos. Tudo isso produz uma luta por sentido e identidade. Surgem as tendências segregacionistas.
[4] Explicou Bauman que a tendência do homem moderno é tentar obter lucro e levar vantagem em todos os seus investimentos.
Assim, concordando com Freud, Bauman coloca que o mandamento de “amar ao próximo como a si mesmo” não pode ser considerado como algo razoável.
O amor-próprio, condição para que se obedeça ao preceito, depende do amor que recebemos dos outros. Segundo Zygmunt, o que amamos é a possibilidade de sermos dignos de amor.
[5] Nossa cultura consumista prefere o produto pronto para pronto e imediato uso, ao prazer intenso, busca cada vez mais a passageira e instantânea satisfação. O amor, ao revés, exige esforços prolongados e sinceros. O amor e desejo são irmãos gêmeos, mas não são idênticos. Pois enquanto o desejo consome, devora e liquida; o amor, por sua vez, preserva, aprisiona e possui.
Observou Bauman que os consumidores contemporâneos não compram somente para satisfazer uma necessidade ou desejo, mas geralmente compram por impulso e, no caso de relacionamentos sexuais, seguir os impulsos significa estar sempre aberto e livre a novas experiências com outras pessoas.
[6] O termo "consumo emocional" foi usado pelo filósofo francês Gilles Lipovetsky para refletir sobre o consumo como fator de construção de identidade do ser humano.
O consumo não é só por status mas também para ajudar na criação de uma imagem. A referida identidade colabora na socialização pelo consumo, isto é, buscamos nos relacionar com pessoas que tenham o mesmo padrão de consumo que o nosso. Um perigoso efeito colateral do consumo emocional é o chamado hiperconsumo, também citado pelo filósofo francês.
E que na prática ocorre quando aquele produto que seduziu perde efeito sobre você. Exerce um poder de depreciação e o que antes deu prazer começa a provocar dor. Essa prática pode se tornar um círculo viciosa o que a torna muito nociva.
[7]  O celular é um acessório indispensável e caracterizador na modernidade líquida. Feito para pessoas em movimento, com ele é possível estar sempre conectado: “estando com seu celular, você nunca está fora ou longe; encontra-se sempre dentro, mas jamais trancado em um lugar”. Os celulares permitem proximidade sem contiguidade física.
[8] O homo sexualis é tratado na obra e Bauman afirmou que a cultura nasceu exatamente do encontro dos sexos e, citando o sexólogo Volkmar Sigusch, aponta que ars erotica perdeu espaço para a scientia sexualis. Significando que o sexo deve ser algo mais racional e desprovido de ilusão.

Em verdade, deu-se um divórcio entre sexo e reprodução, sendo que esta última, tornou-se responsabilidade da ciência médica. De sorte que os filhos podem ser planejados e produzidos ou fabricados conforme as necessidades, impulsos e desejos de seus pais (que clientes da biogenética, ainda podem escolher quais melhores características genéticas pretendem legar a prole).
[9] Bauman cogitou sobre "Afinidade e Parentesco". O parentesco seria o laço irredutível e inquebrável. Mas, é aquilo que não nos dá escolha. Ao passo que a afinidade é, ao contrário do parentesco.
É voluntária e escolhida. Mas, o objetivo da afinidade é ser como o parentesco. Entretanto, ao se viver numa sociedade de plena descartabilidade, até mesmo as afinidades estão
cada vez mais raras.
[10] Entende-se a palavra "rede" por momentos nos quais, se está em contato, intercalados por períodos de movimentação a esmo. Na rede, as conexões são estabelecidas e cortadas por escolha.
A hipótese de um relacionamento indesejável, mas impossível de romper é o que torna relacionar-se a coisa mais traiçoeira que se possa imaginar. Mas uma conexão indesejável é um paradoxo. As conexões podem ser rompidas e, o são, muito antes que se comece a detestá-las.
[11] O namoro pela internet é outro aspecto abordado por Bauman. As vantagens desse tipo de relacionamento são a segurança e a falta de compromisso. O contato pode ser deletado a qualquer instante sem maiores consequências.
Além disso, a “oferta” é grande e é possível escolher o “produto” que seja mais agradável. Bauman também cogitou da “economia moral” que, segundo Albert Henry Halsey trata-se do compartilhamento de bens e serviços, da ajuda mútua e da cooperação entre familiares, vizinhos e amigos. Ela funciona como uma válvula de escape para as pressões do mercado não se tornarem absolutas e incontroláveis.
[12]  Existem parceiros que preferem simplesmente viver juntos, sem os compromissos oficiais do casamento. Há também os casais semisseparados (CSS), que vivem um casamento em tempo parcial: cada um tem sua casa, sua conta bancária e seu círculo de amigos. Eles só ficam juntos quando sentem vontade.
Bauman colocou que essas são algumas tentativas de se satisfazer, ao mesmo tempo, o impulso de liberdade e a ânsia por pertencimento.
[13] Bauman denunciou a produção de lixo humano pela modernidade. A produção e reprodução da ordem social e o progresso econômico são as principais causas da seleção, do descarte e da exclusão das pessoas que não se adaptam à nova ordem social. 
Existe um acúmulo de lixo humano no planeta e faltam aterros sanitários para os excedentes humanos.
[14] Ao tratar da xenofobia e da crescente preocupação com a segurança na sociedade humana, Bauman tratou do problema da imigração nos EUA, ressaltando que o desprezo aos imigrantes, agora partilhado até por Donald Trump, presidente eleito dos EUA, é um ataque ao cerne da identidade norte-americana, que tem na imigração um de seus pilares.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 17/01/2017
Alterado em 18/01/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr